20 de outubro de 2009

October 21 is Love Your Body Day

Tomorrow, Oct. 21, is Love Your Body Day, sponsored by the National Organization for Women (NOW) Foundation. On this day, NOW wants us all to fight back against images in the media that make us feel bad about our bodies. Instead, we should demand images of real people, of all shapes, colors and ages. And to celebrate our bodies, NOW suggests activities like indulgence parties (a night to wear sweats and eat decadent food without guilt), staging “real women” beauty pageants and watching movies with strong female characters.

Now, I love to watch “Sisterhood of the Traveling Pants” as much as the next person, but I wish some of NOW’s tips were a bit more practical for actually improving body image. For example, this page suggests canceling magazine subscriptions as soon as offensive ads are run and boycotting shoe manufacturers that dare to make high heels that ruin our feet. For most people, these tips aren’t realistic. While we should speak out against those images that really do offend us, and opt out of things that don’t make us comfortable, like high heels or make-up, most women want a happy medium, in which they feel good about their body while wearing cute, if slightly impractical, shoes. I mean, the models on “Project Runway” are very skinny, but I’m certainly not going to stop watching the show.

So in honor of Love Your Body Day, I found some tips for how to improve body image on a personal level (no boycotting of shoe manufacturers required). A few of them may sound like simple clichés, but sometimes the easiest way is best.

  • Treat your body to something nice — new, flattering clothes, a bubble bath, an impromptu dance session, chocolate are but a few ideas.
  • Be realistic. There is no “one” standard body size to aspire to, no matter how many times you see a certain body style in a magazine. Remember that if someone’s in a magazine, they’ve probably had tons of help from stylists, trainers and personal chefs. Their appearance is their job. To me, that does not sound like a fun job.
  • Consider the things that get you down. Like I said, I’m not going to quit watching “Project Runway” just because of skinny models (catty drama is much more important), but it’s good to be aware of the things that make you feel bad about your body, be it magazines, television shows or your daily weigh-in. Then, you can consider whether these things are worth keeping in your life.
  • Keep a list of things you love about yourself that have nothing to do with your appearance. Add to it all the time.
  • Work on your appearance from the inside-out — you’ll likely have more things to add to that list I just mentioned if you’re constantly challenging yourself. Not with new diets, but with new hobbies, new responsibilities at work or new friends. An interesting and interested person is a happy, beautiful person, no matter what the scale says.
  • Appreciate all the things that your body can do, no matter how basic. If you’re self-conscious about a scar that you got from playing soccer in the fifth grade, be grateful you had the ability to play soccer in the first place.
  • Surround yourself with positive people. Almost everyone complains at some point about how their thighs are looking a little big or that a six-pack is turning into a keg, but if there’s a person in your life who’s constantly judging him or herself, then you’ll be more likely to judge yourself.
  • Consider your health, not a number on a scale. There are times when people really do need to go on diets and exercise for health reasons, but as long as you’re eating healthfully and exercising regularly, there’s no need to define your life by the numbers, be it a number on a scale or a size in a dress.

What do you guys think? How do you maintain a good body image in this crazy world of ours?

From: HowStuffWorks

Vegetable soup for everybody!


Serious problems sometimes require innovative solutions. More and more, western food consumption habits are becoming a serious environmental problem. I was keen to hear some of the (not always serious) solutions offered at a workshop run by the Sustainable Consumption Institute (Manchester University). What can we do to make sure people eat healthier and less meat (the latter being a huge problem in terms of gas emission and devouring much of our water and land resources)?

Sustainable food = use of less finite resources in food production, emit less greenhouse gases (environmental), treat those in food chain better (social), make money for further investment (economic).

The workshop started with a breathtaking presentation on sustainable food policy by Professor Tim Lang. Apart from being the world's only professor of food policy (City University), I learned, Tim Lang is also the Natural Resources and Land Use Commissioner within the UK Government's Sustainable Development Commission. He fears that many governments and businesses believe that sustainability means merely to reduce carbon emissions. This is complete rubbish, as Tim pointed out. Sustainability is about much more. It is the conviction that only when ecological, social and economic principles work hand in hand, lasting success will be achieved. He also outlined how slow public institutions are in analyzing the effect of meat consumption or any other food policy issue in the UK. Sometimes it would take years for think tanks or government to come up with the right methodology for their research. Even the European Commission would generally keep very silent about ecological food policy. So, who is in charge – government, companies or consumers? "I will if you will". We are trapped. What can we do?

Eat less meat.

Following up on Tim Lang, Dr Unni Kjaernes from the National Institute for Consumer Research in Oslo, Norway, raised the so important question: "Should we eat meat in the future?" Neo-liberals would probably say yes and advocate for technocratic fixes to the meat production system. After all, animals could be bread that fart less (no joke, that is a big issue as those gases go right into the atmosphere). However, Unni fears that modernization (new farming methods, new "production" technology etc.) would only augment demand for meat and hardly reduce it (rebound effect). On the other side, the state could step in and control meat production through regulations, quota, taxes etc. That might help to reduce meat consumption (or make the black market expand...). Just, who would vote for a party, which advocates for unpopular tax and meat restriction? Unni finished her presentation saying that there is no obvious solution to the problem of excessive meat consumption (and its consequences to the environment), although some promising development is taking place in terms of consumer awareness and strategic consumption.

After a short coffee break that I used to digest some of the theory confronted with, Professor Jukka Gronow (Uppsala University), Dr Johanna Mäkelä (National Consumer Research Centre, Finland), Professor Elizabeth Shove (Lancaster University), Dr Dale Southerton (Manchester Uni) and Professor Alan Warde (Manchester Uni) went on to present some innovative ideas for reducing meat consumption on a practical level. Proposals went from subsidizing Italian restaurants in the UK (Mediterranean cuisine is healthy!) to abolishing the main plate (as it is usually meat) and fostering urban gardening + community eating-places. The winning idea came from Dale, who suggested only refunding people's lunch expenses (particularly in the public sector), if they went to a green-labelled restaurant or shop! To his horror, Dale then learned from Tim that such initiatives were already under way.

Conclusion: Excessive meat consumption does not only harm your personal health but society as a whole. There is no easy solution in sight to change people's behaviour (political parties will not) but increasing awareness is there. Strategic consumption, consumer choice. And: Don't forget to ask your favourite Italian restaurant for an extra bowl of soup next time you're there!

Sustainable Consumption Institute: http://www.sci.manchester.ac.uk

14 de outubro de 2009

15 de outubro - Um dia sem sacolas plásticas

O Ministério do Meio Ambiente anunciou que amanhã, 15 de outubro será o Dia do Consumo Consciente. Para mobilizar as pessoas sobre a questão o Governo lançou a campanha "Um da sem sacolas plásticas".

No Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolas são utilizadas por hora no Brasil. Ou seja, 36 milhões por dia. Essas sacolas causam são extremamente prejudiciais para o meio ambiente:

  • Causam problemas para animais aquáticos, que as confundem com comida e as ingerem, ou ficam presos dentro delas;
  • Voam para as ruas e entopem bueiros e canos, contribuindo com enchentes;
  • São feitas a partir do petróleo, recurso natural finito, que poderia ser usado na fabricação de itens realmente necessários;
  • São utilizadas para guardar lixo, e demoram cerca de 100 anos para se decompor, trazendo problemas para os lençóis freáticos.

Estão amanhã, nada de usar sacolas plásticas. Coloque sua sacola retornável na bolsa ou mochila amanhã. Vamos evitar que o nosso planeta "vá pro saco".

Saco é um Saco! Dia do Consumo Consciente: 15 de Outubro

7 de outubro de 2009

Sites que estimulam nossa consciência

O Google lançou um novo site de busca na internet, chamado eco4planet, com a mesma tecnologia e qualidade de busca, mas muito mais sustentável.

As novidades:
  • A cada 50.000 consultas uma árvore será plantada, e fica disponível no portal o número de mudas atingido.
  • O fundo preto da tela, que a princípio gera estranhamento, gera uma economiza 20% da energia do monitor, além de ajudar a descansar os olhos.
Considerando que o Google realiza por dia mais de 2,55 bilhões de buscas com tempo médio suposto em 10 segundos por pesquisa e a proporção de monitores por tecnologia utilizada, um buscador de fundo preto geraria uma economia anual de mais de 7 Milhões de Kilowatts-hora! Esse valor equivale à:
  • Mais de 63 milhões de televisores em cores desligados por 1 hora;
  • Mais de 77 milhões de geladeiras desligadas por 1 hora;
  • Mais de 175 milhões de lâmpadas desligadas por 1 hora;
  • Mais de 58 milhões de computadores desligados por 1 hora.
A iniciativa é nova, a contagem das árvores começou em agosto de 2009.


Generosidade: o quarto elemento do triple bottom line

Por Rogério Ruschel

Já não restam dúvidas científicas de que o desenvolvimento sustentável é o único modelo capaz de evitar a degradação em velocidade geométrica das condições de vida e a inevitável extinção de várias espécies da flora e da fauna do planeta, entre as quais a do Homo Sapiens, isto é: eu, você e nossos descendentes. Desconfie daqueles que se ocultam atrás de frases como “a ciência mesmo tem dúvidas sobre…” eles procuram apenas um escudo para esconder sua inércia, preguiça ou covardia.

Sabemos que para buscar a sustentabilidade, uma pessoa ou uma organização deve adotar como padrão de comportamento ou gestão a atuação ambientalmente correta, socialmente justa e economicamente viável - o triple bottom line, conceito formulado pelo britânico John Elkington. Sabemos também que a busca pela sustentabilidade é uma caminhada que deve ser trilhada com início urgente e imediato.

Então o que faz uma pessoa, um cidadão, mobilizar-se pelo assunto ou uma empresa adotar a sustentabilidade no universo corporativo? Não sou um grande pensador, mas entendo que fundamentalmente a diferença está numa qualidade humana chamada Generosidade – e que a Generosidade é o quarto elemento do triple bottom line.

Generosidade é a qualidade do que é generoso, pródigo, do que perdoa facilmente, nobre, leal; a virtude de quem acrescenta algo ao próximo. Generosas são as pessoas que se sentem bem em dividir algo com outras pessoas porque isso as fará bem (em um contexto egocêntrico), tanto quanto àquelas pessoas que dividem bens tangíveis ou intangíveis com outros, sem a necessidade de receber algo em troca. É o contrário da Ganância. E isto se aplica quase que literalmente para organizações, porque por trás delas sempre estão gestores humanos.

No livro “Princípios de Filosofia” René Descartes apresenta a generosidade como “uma despertadora do real valor do Eu” e ao mesmo tempo uma mediadora para que “a vontade se disponha a aceitar o concurso do entendimento”. É filosófico, sim, mas é simples: a generosidade é uma qualidade de quem coloca os interesses de terceiros no mesmo plano dos seus interesses pessoais, para resolver um problema ou dilema que atinge a todos, que busca o entendimento. Não é exatamente disto que uma sociedade sustentável necessita?

No campo do Direito isto se chama “interesses difusos” – e como sabemos os interesses difusos - aqueles de interesse do conjunto da sociedade - são constitucionalmente inalienáveis. Trocando em miúdos, a Generosidade deveria ser um dos fundamentos da sociedade brasileira, explícito até mesmo pela Constituição. E a Ganância, o oposto da Generosidade, deveria ser execrada porque ofende direitos constitucionais coletivos.

No mundo corporativo a Generosidade pode ser traduzida como uma forma de altruísmo – e esta é a razão porque poucas empresas realmente adotam a sustentabilidade no processo de gestão: altruísmo não combina com capitalismo selvagem, com a famosa “lei de Gerson”, aquela de que se deve levar vantagem em tudo. No mundo corporativo Generosidade significa uma empresa ser menos gananciosa, tomar a decisão de reduzir sua margem de lucro ou aumentar em alguns meses o prazo de retorno de um investimento para ser ambientalmente correta e socialmente justa – sem deixar de ser economicamente viável.

Significa ter coragem para contrariar práticas de gestão, regras de mercado, de design de produtos e de formas de concorrência estabelecidas por força de um modelo de crescimento a qualquer custo que já se demonstrou completamente inviável do ponto de vista dos recursos naturais e da felicidade humana.

A Generosidade é o que diferencia uma empresa que adota critérios de Sustentabilidade em seu modelo de gestão daquela outra que diz adotar tal prática, mas desliza na superficialidade praticando o greenwashing.

Generosidade corporativa significa também compartilhar gratuitamente seu aprendizado, seu conhecimento, suas patentes, sua força e seus recursos em nome dos interesses que ultrapassam os limites da empresa. O jornalista Dal Marcondes, da Envolverde, costuma dizer que filantropia é dar um peixe a quem tem fome, responsabilidade social é ensinar a pescar, e sustentabilidade é preservar o rio. Pois no contexto da Generosidade corporativa este compartilhamento é estar na nascente do rio e compreender a importância de seu fluxo e entorno desde a foz. É perceber o que de fato importa para a perpetuação dos peixes.

Generosidade corporativa é perceber o problema das emissões de gases do efeito estufa como um assunto de interesse coletivo – e ir além de simples metas de redução.

Generosidade corporativa é compreender que não basta fazer o seu papel, é preciso mobilizar seus parceiros de negócios – e para isso se faz necessário ceder em aspectos antes inegociáveis.

Mas a Generosidade corporativa também oferece vantagens e oportunidades de negócios. Alguns exemplos, já clássicos:

  • A Danone francesa se associou às cooperativas de trabalhadores e ao Grameen Bank para implantar em Bangladesh 50 fábricas de iogurte de baixo custo. Com isso está atendendo crianças subnutridas com redução de custos fixos na implantação de fábricas e custos de produção, porque os funcionários são sócios e consumidores. Marketing? Sim, e inteligente, porque o modelo só funciona se houver redução da margem de lucro – uma opção generosa para conquistar mercado
  • No começo de 2000 a Sadia investiu na construção de dezenas de biodigestores nas propriedades de pequenos produtores de suínos. E porque ela fez isto se não está no ramo de produção de energia? Porque esta iniciativa evitou dezenas (talvez centenas) de multas pela contaminação do solo com os resíduos da criação, reduziu os custos dos produtores que passaram a gerar sua própria energia elétrica, agregou valor à atividade para fixar os filhos dos produtores no campo, perpetuando o fornecimento de matéria prima, e ainda gerou créditos de carbono! Puro negócio? Sim, mas a generosidade está em investir “dinheiro bom” em uma idéia coletiva, com prazo longo de recuperação
  • Evoluindo aos poucos durante os anos 90, a Interfaceflor, empresa norte-americana fabricante de tapetes, já está fabricando produtos com 100% de fibras recicladas a partir dos tapetes velhos de seus clientes. Ao fazer isto percebeu uma ótima oportunidade. Como tapete é artigo de decoração e sai de moda, a empresa mudou o modelo de negócio: está propondo que seus clientes não comprem seus tapetes – e como num processo de “leasing” de automóveis, as famílias podem ficar com o produto ou trocar por outro, ao fim do pagamento. Coragem para mudar exige generosidade

Na linha do tempo da história a Generosidade é um dos traços da personalidade de pessoas que trouxeram benefícios universais para a Humanidade como: Mahatma Ghandi, Buda, Jesus Cristo, Nelson Mandella, Martin Luther King, Wangari Maathai, Muhammad Yunus, Madre Teresa de Calcutá e outros, mas também aparece em pequenos gestos de pessoas comuns em nosso dia-a-dia, e que merecem ser elogiados e replicados.

Se lhe parece complicado entender a importância da Generosidade como parte da essência da Sustentabilidade, basta pensar no seu oposto, a Ganância. Com certeza você vai concordar comigo que a Generosidade realmente é o quarto elemento do triple bottom line.

(Rogerio Ruschel é diretor da Ruschel & Associados Marketing Ecológico e editor da revista eletrônica “Business do Bem – Economia, Negócios e Sustentabilidade”)

5 de outubro de 2009

Filmes que despertam a consciência II

Continuação da lista de filmes sobre sustentabilidade

A História das Coisas (The Story of Stuff )
Direção: Annie Leonard (2007)
Disponível no site http://www.storyofstuff.com e também no YouTube com legendas em português, o documentário de linguagem simples e direta mostra o ciclo de vida dos produtos que consumimos, desde de sua matéria-prima até o descarte final.

O Homem que Virou Suco
Direção: João Batista de Andrade (1981)
Um poeta recém-chegado do Nordeste a São Paulo é confundido com o operário de uma multinacional que mata o patrão. Em meio a perseguição que o personagem sofre injustamente, o filme aborda a relação do homem simples diante de uma sociedade opressora e diferente de sua terra natal, que acaba aos pouco com as suas raízes do homem comum.

Hotel Ruanda (Hotel Rwanda)
Direção: Terry George (2004)
Baseado em um personagem do livro “Gostaríamos de informá-lo de que amanhã seremos mortos com nossas famílias”, de Philip Gourevitch, Hotel Ruanda mostra a luta pela sobrevivência em meio a intolerância gerada pelo conflito étnico de gerações que assola a região africana. Paul Rusesabagina era gerente de um sofisticado hotel na capital de Ruanda, em 1994, e tentou proteger mais de 1200 adultos e crianças do genocídio no local.

O Jardineiro Fiel (The Constant Gardener)
Direção: Fernando Meirelles (2005)
Justin Quayle, diplomata por profissão e jardineiro por hobby, tem sua rotina alterada quando sua esposa é brutalmente assassinada. Com o intuito de descobrir o que aconteceu à mulher, acaba sabendo que o crime foi uma queima de arquivo comandada pela indústria farmacêutica que usa africanos como cobaias para testes.

Ladrões de bicicletas (Ladri di biciclette)
Direção: Vittorio De Sica (1948)
Em meio às ruínas da II Guerra Mundial, o neo-realismo no cinema italiano surge com situações do dia a dia, personagens comuns e filmagens nas ruas. Em “Ladrões de bicicletas”, Ricci é um desempregado, cuja bicicleta é roubada no primeiro dia de trabalho. Sem ela, sabe que perderá o emprego e a partir daí, o roubo surge como opção para um homem honesto.

Direção: Fritz Lang (1927)
O clássico de Fritz Lang, um dos ícones do expressionismo no cinema, se passa no século 21, numa grande cidade governada por um poderoso empresário. Os seus “amigos” constituem a classe privilegiada, enquanto os trabalhadores são escravizados pelas máquinas, condenados a viver e trabalhar no subsolo. Nesse contexto, a jovem Maria se destaca, incentivando os trabalhadores a se organizarem para reivindicar seus direitos.
Momento Inesquecível (Local Hero)
Direção: Bill Forsyth (1983)
O filme retrata o conflito entre uma empresa texana de petróleo e pescadores na Escócia, cujas terras da comunidade simples são requisitadas para a implantação de uma refinaria.

Natureza Morta (Still Life)
Direção: Jia Zhang Ke (2006)
Tendo como pano de fundo a polêmica construção da barragem das Três Gargantas, Natureza Morta exibe duas histórias de amor e ruptura. A cidade de Fengjie já está submersa, mas o seu novo bairro ainda não foi terminado quando Han Saming, um mineiro, viaja para lá buscando encontrar a ex-mulher que não vê há 16 anos. Enquanto isso, Shen Hong, uma enfermeira, está à procura do marido que não vê há dois.

Norma Rae
Direção: Martin Ritt (1979)
A luta de uma operária por melhores condições trabalhistas numa empresa do setor têxtil, em uma pequena cidade americana, é o pano de fundo para o drama baseado em história real.

Obrigado por Fumar (Thank You for Smoking)
Direção: Jason Reitman (2006)
Um lobbista da indústria de cigarros tem seu jogo de cintura colocado a prova em uma luta para “proteger” o direito de fumar. Ao mesmo tempo, deseja ser um bom exemplo para o filho. O filme trata de forma irônica a disputa entre governo e a indústria do fumo americana.

O que você faria?
Direção: João Jardim (2006)
No mesmo dia de uma reunião do G-8, executivos disputam uma vaga numa empresa em Madri (Espanha). Mesmo com as ruas da capital espanhola ocupadas por violentas manifestações contra a cúpula, os candidatos participam da seleção, que inclui uma estranha prova, cujo objetivo é descobrir qual o agente da empresa infiltrado entre os participantes.

Direção: Eduardo Coutinho (2004)
Em 1979 e 1980, na região metalúrgica do ABC (Grande São Paulo), trabalhadores anônimos se envolveram no movimento grevista ao lado de pessoas que se tornaram líderes, como Luís Inácio Lula da Silva. O documentário de Coutinho dá voz a essas pessoas que não seguiram a carreira política, mas tiveram suas vidas marcadas pelos movimentos grevistas da época.

Pro dia nascer feliz
Direção: João Jardim (2006)
Situações de preconceito, violência e esperança fazem parte do cotidiano dos adolescentes brasileiros nas escolas. O documentário “Pro dia nascer feliz” se passa em três estados brasileiros e mostra a situação de jovens de diversas classes sociais e seus professores, auxiliando no debate sobre como melhorar a educação, que representa hoje uma das áreas mais debilitadas no Brasil.

Quanto vale ou é por quilo?
Direção: Sergio Bianchi (2005)
Três histórias se entrelaçam para contar a exploração da miséria e a aparente solidariedade prestada: no século XVII, um capitão-do-mato captura uma escrava fugitiva, que está grávida. Nos dias atuais, uma ONG implanta o projeto Informática na periferia e uma das personagens descobre que os computadores foram superfaturados. Em outro lugar, um jovem desempregado torna-se matador de aluguel para sustentar a esposa grávida.

Rei do Milho (King corn)
Direção: Aaron Woolf (2007)
Dois amigos se mudam para a cidade para aprender mais abre a comida que consomem. Com um pouco de ajuda eles conseguem plantar muito milho, mas quando procuram nas embalagens dos supermecados, não encontram nenhuma informação sobre seu produto. O filme aborda questões preocupantes sobre como consumimos e cultivamos os alimentos.
O Retrato de uma Coragem (Silkwood)
Direção: Mike Nichols (1983)
Karen Silkwood (Meryl Streep), funcionária de uma fábrica de componentes nucleares em uma pequena cidade do interior dos EUA luta pela saúde e por melhores condições de trabalho para os funcionários do local. Porém, acaba descobrindo mais do que os poderosos gostariam que ela soubesse, pondo em risco sua própria vida. Baseado em fatos reais.

Sangue Negro (There Will Be Blood)
Direção: Paul Thomas Anderson (2007)
Um mineiro de prata derrotado divide seu tempo com a tarefa de ser pai solteiro. Um dia ele descobre a existência de uma pequena cidade no oeste onde há muito petróleo. Decide partir para o local com seu filho e se arriscar na busca pelo sangue negro, que lhes traz riqueza e muitos conflitos.

A Síndrome da China (The China Syndrome)
Direção: James Bridges (1978)
Ficção que mostra o acidente de uma usina nuclear. Teve grande repercussão por ter sido lançado doze dias antes do acidente ocorrido na usina nuclear de Three Mile Island, nos Estados Unidos.

Super Size Me
Direção: Morgan Spurlock (2004)
Estudos recentes comprovaram que a cada três americanos, dois estão acima do peso ou são obesos. Super Size Me tenta mostrar que a ingestão de fast food pode ajudar no crescimento desses números e acabar com a saúde da população.

Syriana â€" A Indústria do Petróleo (Syriana)
Direção: Stephen Gaghan (2005)
Robert Baer investiga terroristas no mundo todo e, à medida que a ação deles passa a ser cada vez mais forte, o personagem observa a CIA dando lugar à politicagem. Porém, esses problemas começam a entrar na esfera pessoal quando um executivo do ramo petrolífero e sua mulher são envolvidos nessas tramas.

Tempos Modernos (Modern Times)
Direção: Charlie Chaplin (1936)
Um trabalhador de uma fábrica tem um colapso nervoso por trabalhar de forma quase escrava. É levado para o hospício, e quando retorna para a “vida normal”, encontra a fábrica já fechada. Em busca de outro destino acaba se envolvendo numa greve e é preso, entre outras confusões do gênero.

Terra Fria (North Country)
Direção: Niki Caro (2005)
No início dos anos 70, Josie Aimes foge do marido e volta para sua terra natal, onde começa a trabalhar em uma mina de ferro. Ela e suas colegas são molestadas pelos homens que trabalham no local, mas os proprietários não fazem nada a respeito. Josie decide então mover uma ação legal contra eles. Inspirado em fatos reais.

Todas as crianças invisíveis (All the Invisible Children)
Direção Mehdi Charef / Emir Kusturica / Spike Lee / Kátia Lund / Jordan Scott / Ridley Scott / Stefano Veneruso (2005)
Reunião de sete curtas-metragens protagonizados por crianças de países diferentes e dirigidos por importantes cineastas, entre eles, a brasileira Kátia Lund.

A Última Hora (The 11th Hour)
Direção: Nadia Conners, Leila Conners Petersen (2007)
Descreve o último momento em que ainda é possível alterar o rumo das mudanças climáticas e os impactos consequentes sobre ecossistemas e o modo de vida das pessoas.

Uma Verdade Inconveniente (An Inconvenient Truth)
Direção: Davis Guggenheim (2006)
O documentário mostra palestras e bastidores do ex vice-presidente americano Al Gore denunciando os perigos do aquecimento global.

Direção: Maurício Farias (2008)
Verônica é professora da rede municipal na iminência de se aposentar, exausta e sem a paciência. Um dia, na escola em que trabalha, ela percebe que ninguém veio buscar um aluno de oito anos. A professora decide levá-lo em casa e ao chegar no alto do morro descobre que traficantes mataram os pais do menino e querem matá-lo também. Verônica foge com o garoto e depois é obrigada a enfrentar policiais e traficantes para sobreviver.

Viva Zapatero
Direção: Sabina Guzzanti (2005)
A italiana Sabina Guzzanti escreveu para a emissora estatal RAI um programa de humor intitulado "RaiOT", e no primeiro dia o programa foi cancelado, considerado vulgar pela emissora no tratamento com o governo. Nesse documentário, Guzzanti questiona os motivos do cancelamento e retrata as discussões sobre censura na Itália.

Wall Street - Poder e cobiça
Direção: Oliver Stone (1987)
Bud Fox (Charlie Sheen) é um jovem e ambicioso corretor que trabalha no mercado de ações. Após várias tentativas consegue falar com Gordon Gekko (Michael Douglas), um inescrupuloso bilionário. Gekko o adota como discípulo e logo Bud trabalha secretamente para Gekko, abandonando qualquer escrúpulo e ética com o intuito de enriquecer.

007- Quantum of Solace (Quantum of Solace / Bond 22)
Direção: Marc Forster (2008
O filme dá continuidade à série de James Bond em “007 Cassino Royale”. Em uma missão que o leva à Áustria, Itália e América do Sul, Bond descobre que há uma conspiração para obter controle total de um dos mais importantes recursos naturais do mundo por meio da manipulação de poderosos contatos na CIA e no governo britânico.

Filmes que despertam a consciência I

Educativo, emocionante, criativo, engraçado... o cinema sempre foi um grande instrumento de educação e de formação de opinião... segue uma lista completíssima de filmes que abordam a temática da sustentabilidade e da consciência individual em todas as suas formas!

Agora é com você... divirta-se!!!

The Age of Stupid
O filme mostra a retrospectiva de um homem que vive no ano 2055, após o ponto em que já não há retorno em relação ao aquecimento global ter passado. Ao rever documentários da nossa época (2007-2008), ele se pergunta por que fomos tão estúpidos a ponto de não tentar frear o processo de mudanças climáticas enquanto era tempo.

À margem da imagem
Direção: Evaldo Mocarzel (2003)
Documentário sobre a sobrevivência, o estilo de vida e a cultura dos moradores de rua de São Paulo. Temas como exclusão social, desemprego, alcoolismo, loucura e religiosidade permeiam a narrativa e estimulam a discussão sobre essas comunidades marginalizadas e esquecidas em meio ao fluxo da cidade.

A Qualquer Preço (A Civil Action)
Direção: Steven Zaillian (1998)
O filme, baseado em história real, mostra o trabalho de um advogado na busca pela condenação judicial de uma empresa que causou a contaminação do rio que abastece uma cidade nos Estados Unidos.

Boa Noite e Boa Sorte (Good Night, And Good Luck)
Direção: George Clooney (2005)
O filme conta a história de Edward R. Murrow (David Strathairn), um repórter que pretende desmascarar as falcatruas políticas do Senador norte-americano Joseph McCarthy na década de 50. Baseado em fatos reais.

Bye, Bye Brasil
Direção: Cacá Diegues (1979)
Tendo como pano de fundo a construção da rodovia Transamazônica, quando diversas mudanças passam a integrar a vida de comunidades da região, Bye, Bye Brasil retrata uma caravana de artistas mambembes que cruza a Amazônia até chegar a Brasília com seu entrono cercado de dilemas socioambientais.

Cidadão Kane (Citizen Kane)
Direção: Orson Welles (1941)
William Randolph Hearst, um poderoso magnata dos meios de comunicação dos EUA, serviu como inspiração para um dos filmes mais famosos de Orson Welles. A ascensão desse mito da imprensa americana passa pela total falta de ética e escrúpulos em relação aos demais atores sociais.

Cidade de Deus
Direção: Fernando Meirelles (2002)
Na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos do Rio de Janeiro, um jovem pobre e negro descobre seu talento como fotógrafo e passa a registrar imagens de sua comunidade. É através de seu olhar que o filme mostra o dia-a-dia da favela, a violência e a falta de oportunidade.

A Corporação (The Corporation)
Direção: Jennifer Abbott e Mark Achbar (2003)
A hegemonia de corporações, que cresceu com o passar dos anos, é o foco principal desse filme de 2003. A obra mostra como, na sociedade atual, a vida da população é diretamente influenciada pelas decisões dessas gigantes do mundo globalizado.

O Dia Depois de Amanhã (The Day After Tomorrow)
Direção: Roland Emmerich (2004)
A discussão sobre as conseqüências das mudanças climáticas para o planeta e para a existência humana é o pano de fundo dessa ficção hollywoodiana. Além das conseqüências do aquecimento global, aborda a migração, já que no filme o norte dos EUA passa por uma nova era glacial e faz com que milhões de sobreviventes rumem para o sul.

Diamante de Sangue (Blood Diamond)
Direção: Edward Zwick (2006)
Em meio à guerra civil em Serra Leoa, Danny Archer, que contrabandeia os diamantes de sangue (usados para financiar a compra de armas), encontra Solomon Vandy, um pescador separado da família em um dos ataques de um grupo rebelde que encontra um raro diamante rosa. Enquanto isso, a jornalista Maddy Bowen investiga os diamantes de sangue e seu comércio ilegal. Exibe cenas reais sobre a guerra.

Em Busca da Vida (Sanxia Haoren)
Direção: Jia Zhang-Ke (2006)
A construção da usina de Três Gargantas, na China, deixou suas sequelas para a população local. 'Em busca da vida' mostra o retrato de algumas dessas pessoas afetadas pela polêmica construção, que resultou na inundação de cidades e transferência de moradores para outros locais.

Entre os muros da escola (Entre les murs / The Class)
Direção: Laurent Cantet (2009)
Uma escola em um bairro cheio de conflitos e diferenças culturais acentuadas na França contemporânea: esse é o local onde François e outros professores passam a dar aula. Apesar da determinação de oferecer conhecimento aos alunos, alguns jovens podem minar todo esse entusiasmo.

Erin Brockovich - Uma Mulher de Talento (Erin Brockovich)
Direção: Steven Soderbergh (2000)
Uma empresa do setor de energia contamina a água fornecida à uma cidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Erin Brockovich não se intimida e luta pela condenação judicial da gigante da costa oeste. Baseado em uma história real.

Extermínio (28 Days Later)
Direção: Danny Boyle (2002)
Um grupo de ativistas invade um laboratório de pesquisas com macacos e encontra chimpanzés presos. Ao perceberam que os animais estavam sendo violentados, os ativistas decidem libertá-los. Soltos, os macacos passam a atacar todos à sua volta de forma violenta.

Filhos da esperança (Children of Men)
Direção: Alfonso Cuarón (2006)
Durante uma crise de infertilidade da raça humana, o mais novo cidadão do planeta falece aos 18 anos e a humanidade enfrenta a possibilidade de extinção. A ficção mostra a história de Theo (Clive Owen), um sobrevivente e ex-ativista que é forçado a enfrentar seus próprios medos para tentar evitar o fim da humanidade.

O Futuro da Comida
Direção: Deborah Koons (2004)
O documentário faz uma investigação sobre a verdade por trás dos alimentos geneticamente modificados (transgênicos) que têm preenchido cada vez mais os mercados americanos na última década.